Agenda Qualificações e Defesas

  • Guilherme Fagundes de Arruda Open or Close

    Data: 17/07/2017, às 14h30
    Local: Sala da Congregação bloco A da FEA-RP
    Título: Marketing de relacionamento e negociação: uma visão interdisciplinar sobfre o declínio de um relacionamento interorganizacional
    Autor: Guilherme Fagundes de Arruda

    Banca: Prof(a). Dr(a). Dante Pinheiro Martinelli (Presidente)
    Prof(a). Dr(a). Luciano Thomé e Castro (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEA/RP - SP)
    Prof(a). Dr(a). Verônica Angélica Freitas de Paula (Universidade Federal de Uberlândia - UFU - MG)
    Prof(a). Dr(a). Flávia Angeli Ghisi Nielsen (Fundação Instituto de Administração - FIA-SP) - videoconferência

    Resumo: Este estudo tem como objetivo entender como a dinâmica do relacionamento entre duas empresas é afetada por fatores internos e externos à mesa de negociação. Interdisciplinar, a pesquisa convergiu as contribuições de diversas literaturas, notadamente marketing de relacionamento e negociação, para poder lidar com a complexidade dos dados empíricos coletados. Através de um estudo de caso único, baseado na relação diádica entre um fornecedor e um canal do varejo alimentício brasileiro, foram analisados os fatores que levaram um relacionamento interorganizacional estável por décadas a se deteriorar em apenas dois anos. Os resultados encontrados apontam para o fortalecimento da concorrência e o conflito intradepartamental na empresa fornecedora como os principais motivos da migração para um estado relacional danificado. O histórico positivo do relacionamento se mostrou insuficiente para ajudar na recuperação do relacionamento, assim como a utilização da estratégia de compromisso pelos negociadores. A importância de distinguir em estudos as diferentes formas de conflito é ressaltada pela conclusão da pesquisa. Ao final do trabalho, implicações gerenciais derivadas das conclusões são apresentadas.

  • Alexandre Aparecido Dias Open or Close

    Data: 05/07/2017, às 14h00
    Local: Sala 43, bloco B2 da FEA-RP
    Título: Produtividade científica e tecnológica nas infraestruturas de pesquisa brasileiras: uma abordagem baseada na interface entre C&T
    Autor: Alexandre Aparecido Dias

    Banca: Prof(a). Dr(a). Sérgio Kannebley Júnior (Presidente)
    Prof(a). Dr(a). Alexandre Bevilacqua Leoneti (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEA/RP)
    Prof(a). Dr(a). Evandro Marcos Saidel Ribeiro (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEA/RP)
    Prof(a). Dr(a). João Alberto Negri (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA) - Videoconferência/skype
    Prof(a). Dr(a). João Santana da Silva (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - FMRP)
    Prof(a). Dr(a). Elaine Toldo Pazello (FEA-RP)

    Resumo: O objetivo desta pesquisa é compreender a dinâmica de produção de conhecimento das infraestruturas de pesquisa brasileiras. O estudo utilizou uma amostra de 1.756 infraestruturas nas quais estão alocados 7.714 pesquisadores. Realizou-se uma Análise de Correspondência Múltipla seguida pela Análise de Cluster Hierárquico, por meio das quais foram identificados cinco clusters. Em linhas gerais, as diferenças se concentram na composição do capital humano, representada pela participação dos pesquisadores permanentes, dos estudantes de pós-graduação e dos técnicos, e no escopo das atividades realizadas pelas infraestruturas. Os clusters 1 e 2 caracterizam-se por possuir uma estrutura de capital humano menor do que a dos clusters 3, 4 e 5 e contemplam, proporcionalmente, um número de doutores menor no quadro de pesquisadores permanentes. Já nas infraestruturas dos clusters 3, 4 e 5 a participação dos dos alunos de pós-graduação constitui a principal composição do capital humano, refletindo assim em maior escala. Elas também realizam múltiplas atividades e principalmente nos clusters 4 e 5 as atividades de ciência e tecnologia são realizadas com maior intensidade. Apurouse que, condicionado ao capital e ao trabalho, as infraestruturas dos clusters 3 e 4 têm uma produção científica 769% e 484% superior ao cluster 1. E embora as do cluster 1 tenham registrado uma produtividade tecnológica maior, as infraestruturas do cluster 4 estão entre as que apresentam os maiores níveis de depósitos de pedidos de patente. Além disso, foi constatado que a produção científica não apenas tornaria as infraestruturas mais predispostas a patentear, como impactaria em uma produtividade tecnológica maior. Também concluiu-se que a produtividade científica é determinada pelo capital físico e pelo trabalho, enquanto a produtividade tecnológica é determinada apenas pelo trabalho. Entretanto, enquanto os pesquisadores permanentes e não permanentes impactam positivamente na produtividade científica, a produtividade tecnológica é determinada apenas pelos pesquisadores permanentes. Estas evidências sugerem que a estrutura de pós-graduação brasileira está mais voltada para a produção científica. Em seguida, os inventores alocados nas infraestruturas foram mapeados, a partir dos quais foram produzidas duas redes de colaboração: uma que incluiu os seus laços de coinvenção e outra que incluiu os seus laços de coautoria. A partir de um modelo multinomial logit com resultados ordenados, foi possível analisar a associação entre clusters e a importância que os inventores possuem em ambas as redes. Os inventores pertencentes às infraestruturas dos clusters 3 e 4 possuem uma probabilidade maior de ocuparem posições centrais tanto na rede de colaboração científica quanto tecnológica Assim, as infraestruturas que combinam um capital humano constituído por uma participação expressiva de pesquisadores não permanentes, uma equipe de pesquisadores permanentes com predominância de doutores ainda que pouco representativa na estrutura do capital humano e engajadas na realização das atividades de ensino, pesquisa e desenvolvimento tecnológico estariam associadas a maior capacidade de articulação entre ciência e tecnologia.

  • Victor Trottmann Corrêa Open or Close

    Data: 30/06/2017, às 14:30
    Local: Sala 43, bloco B2 da FEA-RP
    Título: O campo do conhecimento em administração pública no Brasil: uma análise histórica a partir do seu contexto e caráter multifacetado
    Autor: Victor Trottmann Corrêa

    Banca: Prof(a). Dr(a). Claudia Souza Passador (Presidente)
    Prof(a). Dr(a). Fernando de Souza Coelho (Escola de Artes, Ciências e Humanidades - EACH)
    Prof(a). Dr(a). Frederico Lustosa da Costa (Universidade Federal Fluminense UFF-RJ)
    Prof(a). Dr(a). Suylan de Almeida Midlej e Silva (Universidade de Brasília - DF)
    Prof(a). Dr(a). Edson Arlindo Silva (Universidade Federal de Uberlândia - UFU)

    Resumo: Esta tese dedicou-se a compreender o campo do conhecimento da administração pública, na perspectiva de campo conceituada por Bourdieu (2004); para tanto, adotou como categorias de análise o contexto, relacionado às circunstâncias observadas em cada momento da AP, e as facetas teórica, técnica e prática (FADUL; COELHO; COSTA; GOMES, 2012), que propiciam a compreensão sobre o desenvolvimento do campo ao longo do tempo. Deste modo, fundamentada na lente conceitual de Ramos (1983), a tese buscou complementar análises sobre o campo já realizadas por Fischer (1984) e Keinert (1998) e, ao mesmo tempo, a partir de uma revisão integrativa de textos publicados nos principais eventos e periódicos no período de 1937 a 2009, reconstruiu esse campo do conhecimento, e o sistematizou por meio de linhas do tempo, que proporcionam a visualização de seu histórico detalhado e periodizado, de forma tal que a reflexão sobre o campo da AP e seu aspecto multifacetado foi viabilizada. Como resultado, verificou-se a importância do contexto para o processo de desenvolvimento do campo, e seu impacto nos três aspectos analisados – teoria, técnica e prática –, de modo que ao longo do tempo foi possível constatar: i) uma faceta teórica que, ao mesmo tempo que mostra a evolução da compreensão do que é a AP, retrata ainda dificuldades teóricas relacionadas à falta de teorias próprias e consistentes de AP; ii) uma faceta técnica que se transforma ao longo do tempo em busca de melhores soluções para os problemas, mas ainda se mostra por vezes inócua em face dos problemas e da falta de entendimento sobre a complexidade do campo; e iii) uma faceta prática que, a despeito de se apresentar como um espaço para a inovação do gestor no período recente, ainda expressa uma realidade que a teoria e a técnica não conseguem compreender e transformar. Por fim, é possível afirmar que ao longo do período analisado – final do século XIX e início do século XXI –, destarte o desenvolvimento do campo, persistem antigos dilemas e desafios, ainda mais claros quando observados pela ótica multifacetada apresentada nesta tese.

  • Geraldo José Ferraresi de Araujo Open or Close

    Data: 11/07/2017, às 14:30
    Local: Sala 43, bloco B2 da FEA-RP
    Título: Análise energética, ambiental e econômica de biodigestores de circulação interna e concentradores de vinhaça para geração de eletricidade, fertilizantes e credito de carbono em diferentes cenários econômicos
    Autor: Geraldo José Ferraresi de Araujo

    Banca: Prof(a). Dr(a). Sonia Valle Walter Borges de Oliveira (Presidente)
    Prof(a). Dr(a). Marcos Fava Neves (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEA/RP - SP) - videoconferência
    Prof(a). Dr(a). Jorge de Lucas Junior (Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho - UNESP)
    Prof(a). Dr(a). Marcelo Zaiat (Escola de Engenharia de São Carlos - EESC / USP)

    Resumo: Com o agravamento das questões ambientais, a ONU iniciou debates multilaterais, com o objetivo de repensar o desenvolvimento, por meio de ações que contemplem o desenvolvimento econômico, social e preservação ambiental. Nesse sentido, o setor de tratamento de resíduos tem papel fundamental. A vinhaça é um dos subprodutos da produção de etanol, onde a mesma é considerada de elevada capacidade poluidora. Estima-se que para cada litro de etanol produzido, produz-se entre 10 até 15 litros de vinhaça. Porém, este mesmo subproduto pode ser utilizado para produção de energia elétrica, fertilizantes, biogás e obtenção de créditos de carbono a partir de biodigestores anaeróbios e concentradores de vinhaça. Logo, a vinhaça pode vir a contribuir para um incremento na geração de energia elétrica e de outros subprodutos para fomento de renda para o setor sucroenergético e resolver o grave problema ambiental no que se refere ao descarte desse subproduto e seus impactos ambientais. Ante o exposto, justifica-se um estudo sobre a utilização da vinhaça, norteada pela seguinte questão: qual a viabilidade econômica, ambiental e energética da utilização do biodigestor de circulação interna, concentrador de vinhaça e o conjugado de ambos? O objetivo geral foi analisar a viabilidade econômica, ambiental e energética da utilização em concentradores de vinhaça, biodigestores de circulação interna e em ambos. Para responder à pergunta, a metodologia utilizada na pesquisa foi a análise de viabilidade econômica, onde foi calculado o valor presente líquido, taxa interna de retorno, payback e o payback descontado. Na análise energética, onde foi calculado o consumo anual de Diesel no transporte de vinhaça biodigerida e concentrada, balanço de energia consumida pelo Diesel e gerada pelo biogás por ano, balanço de geração e consumo de eletricidade e equivalente populacional de geração de eletricidade de vinhaça e, por fim, a análise ambiental, onde foi calculado o equivalente populacional de vinhaça biodigerida e concentrada, balanço de emissão e mitigação de NOx, SOx e CO2 eq pelo concentrador, transporte de vinhaça concentrada, ambas as três análises para uma faixa de produção de etanol de 500 até 4.000 m3/dia, como também para estados brasileiros produtores desse combustível. Como resultado pode-se constatar que os fertilizantes têm importância na viabilidade econômica, onde em cenários sem isenções tributárias e baixa taxa mínima de atratividade, há viabilidade sem a venda desse subproduto. A eletricidade por si só somente terá viabilidade em cenário de baixa taxa mínima de atratividade e isenções fiscais. No que tange a análise energética, destacam-se os resultados no biodigestor IC nas dimensões equivalente populacional e balanço de geração e consumo de eletricidade e na análise ambiental destaca-se o conjugado biodigestor IC e concentrador para as dimensões equivalente populacional e dióxido de carbono equivalentes emitidos e mitigados.

  • João Henrique Paulino Pires Eustachio Open or Close

    Data: 10/08/2017, às 14:30
    Local: Sala 43, bloco B2 da FEA-RP
    Título: A estrutura do sistema viável de desenvolvimento sustentável a partir dos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU para os municípios do estado de São Paulo: uma aplicação do viable system model para prefeituras municipais
    Autor: João Henrique Paulino Pires Eustachio

    Banca: Prof(a). Dr(a). Dante Pinheiro Martinelli (Presidente)
    Prof(a). Dr(a). Adriana Cristina Ferreira Caldana (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto - FEA/RP - SP)
    Prof(a). Dr(a). Helena Carvalho de Lorenzo (Centro Universitário de Araraquara - UNIARA)
    Prof(a). Dr(a). Melissa Franchini Cavalcanti Bandos (Uni-FACEF)

    Resumo: O desenvolvimento municipal sustentável é um fenômeno complexo. Para que seja possível entender tal fenômeno, é necessário levar em consideração como se comportam as diversas variáveis de dimensões distintas e a interação de uma grande quantidade de atores envolvidos em um processo dinâmico, transformando constantemente o sistema social de uma determinada região. Esta dissertação tem em sua essência, ser um trabalho que está de acordo com o novo paradigma da ciência, descartando explicações simples e prontas sobre o desenvolvimento. Busca agregar toda a complexidade, instabilidade e intersubjetividade que o assunto compreende. Assim, o principal objetivo deste trabalho é desenvolver e diagnosticar o sistema de administração das prefeituras municipais para o desenvolvimento sustentável, tendo como base os objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS), utilizando como métodos o Viable System Model (VSM) em prefeituras municipais e a criação de Indicador Sistêmico-Cibernético de Desenvolvimento Sustentável (ISCDS) por meio da análise fatorial (AF) para os municípios do estado de São Paulo. Os objetivos específicos também são desenvolvidos de maneira a contribuir ao objetivo principal. Dentre eles estão: diferenciar os diversos conceitos de desenvolvimento, identificar e delimitar o sistema onde acontece o desenvolvimento local, verificar como os ODS podem ser uma forma de promover o desenvolvimento sistêmico, identificar as principais variáveis secundárias que podem compor o desenvolvimento local e que estejam ligadas a cada um dos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU, desenvolver um indicador capaz de medir o desenvolvimento sistêmico utilizando os ODS e, por fim, identificar as diferenças entre os municípios do estado de São Paulo criando agrupamentos de municípios semelhantes. Para tanto, este é um trabalho sistêmico tanto em sua filosofia quanto estrutura, adotando métodos e técnicas tanto quantitativas como qualitativas para se chegar aos resultados das perguntas de pesquisa. Para que fosse possível obter conhecimento suficiente acerca dos temas tratados e propor uma base metodológica sólida de modo a mostrar os resultados esperados, optou-se por realizar um amplo referencial teórico, envolvendo três itens: desenvolvimento, abordagens sistêmico-cibernéticas e objetivos de desenvolvimento sustentável. Os resultados mostraram que é possível aplicar o VSM no sistema administrativo das prefeituras municipais, sendo uma poderosa ferramenta para administrar o a prefeitura de maneira eficiente e também útil para identificar diversas falhas sistêmicas, conforme são expostas nas considerações finais deste trabalho. Por meio da análise fatorial, tendo como base os ODS, foi possível desenvolver um modelo para se medir o desenvolvimento sustentável sistêmico municipal: o ISCDS para os 645 municípios do estado de São Paulo. A partir da obtenção do ISCDS, foram encontrados sete clusters com características diferentes, indicando a necessidade de tratativas administrativas diferentes que visem o desenvolvimento sustentável para cada agrupamento encontrado.